agrupamento independente de pesquisa cênica

Composto atualmente pelos artistas pesquisadores Clóvis Domingos, Flávia Fantini, Frederico Caiafa, Idelino Junior, Joyce Malta, Lissandra Guimarães, Matheus Silva, Nina Caetano, Paulo Maffei, Sabrina Batista Andrade e Wagner Alves de Souza, o Obscena funciona como uma rede colaborativa de criação e investigação teórico-prática sobre a cena contemporânea que visa instigar a troca, a provocação e a experimentação artísticas. Também participam dessa rede colaborativa obscênica os artistas Admar Fernandes, Clarissa Alcantara, Erica Vilhena, Leandro Acácio, Nildo Monteiro, Sabrina Biê e Saulo Salomão.

São eixos norteadores do agrupamento independente de pesquisa cênica, o work in process, os procedimentos de ocupação/intervenção em espaços públicos e urbanos e os procedimentos de corpo-instalação, além da investigação de uma ação não representacional a partir do estudo da performatividade e do pensamento obra de artistas como Artur Barrio, Hélio Oiticica e Lygia Clark.

Atualmente, o Obscena desenvolve o projeto Corpos Estranhos: espaços de resistência, que propõe tanto trocas virtuais e experimentação de práticas artísticas junto a outros coletivos de arte, como ainda a investigação teórica e prática de experimentos performativos no corpo da cidade. Os encontros coletivos se dão às quintas-feiras, de 15 às 19 horas, na Gruta! espaço cultural gerido pelo coletivo Casa de Passagem.

A criação deste espaço virtual possibilita divulgar a produção teórico-prática dos artistas pesquisadores, assim como fomentar discussões sobre a criação teatral contemporânea e a expansão da rede colaborativa obscênica por meio de trocas com outros artistas, órgãos e movimentos sociais de interesse.

segunda-feira, maio 18, 2009

TRANSAR MESMO SEM VONTADE

SÁBADO. 11 HORAS DA MANHÃ. OS TRANSEUNTES PASSAM PELA PRAÇA SETE. INTERMINÁVEIS. INCONTÁVEIS. A PRAÇA É UM ELO DE LIGAÇÃO CENTRAL. UM EIXO QUE CONECTA AS PESSOAS APRESSADAS. LICA, NINA, ERICA E JOYCE ESTÃO PRONTAS. CADA UMA EM SUA POSIÇÃO, TRIANGULANDO E FAZENDO DAR SENTIDO AO OLHAR INTEGRAL DA INTERVENÇÃO.
VEJO A BONECA COR DE ROSA DE JOYCE, ELA QUE TRAZ UMA EMPATIA MAIOR COM AS CRIANÇAS. NA ESCRITA DA INSTALAÇÃO DA ERICA HÁ: "BRINCAMOS DE CASINHA", MAS QUEM BRINCA É JOYCE, BRINCA DE BONECA, BRINCA DE SER LOIRA, BRINCA DE SER REVISTA DE MODA, BRINCA DE SER FELIZ. BRINCAR E FINGIR... PARECE UM SINÔNIMO TÃO PROFÍCUO NESTE LUGAR: BRINCAMOS DE FINGIR O TEMPO TODO NA LUTA DE UMA AUTO IMAGEM QUE NUNCA PODE SER DESTRUÍDA PELO TEMPO, DEVEMOS NOS PREOCUPAR COM O QUE O OUTRO PENSA. A RELAÇÃO É ESPECULAR: O ETERNO AZUL E ROSA QUE ABRE O ABISMO DESDE A INFÂNCIA ENTRE O QUE É SER MENINO E O QUE É SER MENINA. A BONECA DE JOYCE É LOIRA, FASHION, METALIZADA, MAQUIADA, DESEMPENHANDO UM PAPEL ADQUIRIDO PELAS BONECAS BARBIES: "CADA SEGUNDO UMA BONECA BARBIE É VENDIDA NO MUNDO...", ESTA CONEXÃO ENTRE A INFÂNCIA E A DOCILIDADE ESPERADA DE UMA MULHER, ASSIM COMO A FEMINILIDADE ESTÃO EXPOSTAS NA NOIVA DE LICA: "ALGUÉM MAIS FELIZ QUE EU"? NÃO HÁ, SEM DÚVIDA, POIS UMA NOIVA VAI ADQUIRIR O QUE FOI PROGRAMADA PARA SER: A DONA DE CASA QUE AMA E PERDOA, SILENCIOSA. A NOIVA ESTAVA COM UM COPO NA BOCA, COMO TODAS AS NOIVAS DEVEM SER: LINDAS, SERENAS E SILENCIOSAS: MONALISA SORRI , MAS SERÁ QUE ELA É FELIZ?
VEJO OS OBJETOS DE LICA NO CHÃO, EM UMA SOLUÇÃO HOMOGÊNEA E HIGIÊNICA, COMO TODA A NOIVA DEVE SER. SINTO FALTA DAS EMBALAGENS TEREM SIM NOMES: OMO DUPLA AÇÃO, CONFORT,ETC. SEI QUE FOI PENSADO NA PROPOSTA CONTRA A PROPAGANDA, TALVEZ PARA NÃO CONFUNDIR O TRANSEUNTE COM SE FOSEE ALGO ASSOCIADO AO COMERCIAL, MAS AS PROPAGANDAS FAZEM PARTE DE UMA DITADURA SEDUTORA PARA A MULHER, PARA A CASADA.
AS PROPAGANDAS NOS INVADEM COM SEUS CÓDIGOS DE BARRA.
SINTO FALTA TAMBÉM DE PRESENTES ACABADOS DE GANHAR, DADOS A UMA NOIVA: TALVEZ DENTRO DE UMA CAIXA DE PRESENTE SEMI ABERTO DEVE HAVER PANELAS, PANOS DE PRATO, ELETRODOMÉSTICOS, ACHO QUE FICA MAIS CLARA A RELAÇÃO DE MULHER E LAR: COM SE FOSSE ASSOCIADO DEFINITIVAMENTE O LAR- A MULHER: A CASA SER O AUTO RETRATO DA MULHER, NO SEU RG APARECE AO INVÉS DE SUA FOTO, O SEU LAR. PRESENTES SEMI GANHADOS SÃO IMPORTANTES PARA ESTA CONSTRUÇÃO, PRESENTES DE CASAMENTO.
A ESCRITA DE NINA É, SEM DÚVIDA ALGUMA, O QUE DÁ SENTIDO ÀQUILO TUDO, É O QUE DEIXA CLARO AS INTENÇÕES DO AGRUPAMENTO, É O TECIDO CONJUNTIVO DESTE CORPO.
A ESCRITA DE NINA NÃO ILUSTRA A IMAGEM, MAS A COMPLEMENTA, FINALIZA, UNE AS TRÊS OBRAS EM CONSTRUÇÃO.
A CÂMERA FILMADORA, AO MEU VER, DEIXOU CLARA A SITUAÇÃO REPRESENTACIONAL, POIS AS PESSOAS JÁ LIGAVAM DIRETAMENTE A CÂMERA À INTERVENÇÃO, E ESTA FICA FAZENDO PARTE TAMBÉM DA OBRA, NÃO CONSIGO DEFINIR SE ISTO, TÃO INTRINSECAMENTE, É INTERESSANTE OU NÃO.
A BONECADA ERICA, ESTRATIFICADA, EM UM CORPO COM CERTEZA MENOS REPRESENTACIONAL QUE AS OUTRAS BONECAS, APENAS UM CORPO MUDO, CALADO, COMO SE FOSSE ACOPLADO AOS OUTROS OBJETOS, PARECE QUE AS REVISTAS DE BELEZA NO CHÃO, AS BONECAS E SUAS CASINHAS SÃO A ERICA, TODOS SÃO COISAS, A ERICA TAMBÉM ESTÁ COISIFICADA, CAUSANDO UM ESTRANHAMENTO IMEDIATO, A CALCINHA NO ROSTO: SERÁ QUE OS HOMENS QUANDO OBSERVAM AS MULHERES SÓ VÊEM A SUA XOXOTA? ENTÃO NO LUGAR DO ROSTO A CALCINHA ESTÁ MELHOR... PARA QUE VER O ROSTO SE SÓ QUEREM VER CALCINHAS E XOXOTAS?
SINTO FALTA, NO ENTANTO DO FIGURINO COMPOSTO, NÃO VEJO UMA NOÇÃO CLARA DE BONECA EM ERICA, MESMO SENDO UMA BONECA DONA DO LAR, CALADA, ACHO QUE A COMPOSIÇAÕ DO FIGURINO FICA PRÓXIMO DEMAIS A ELA, DESTOA DAS OUTRAS BONECAS, FICA SEM UM ELO COGNITIVO, ACREDITO QUE SUA RELAÇÃO COM O FIGURINO DEVE SER MELHOR PENSADA, SENDO UMA BONECA DE PANO, RASGADA, MAS AINDA ASSIM UMA BONECA.
ACREDITO NA GRANDE TRANSFORMAÇÃO QUE SÁBADO NOS DEU. UMA FORÇA EM PLENO CORAÇÃO DA CIDADE, QUE DEIXOU IMAGENS A SEREM REFLETIDAS, E FRASES PARA NUNCA SEREM DESPREZADAS: A QUE EU LEVO PARA CASA É A "TRANSAR, MESMO QUE SEM VONTADE", ELA MARTELA EM MEUS PENSAMENTOS TORTOS.

Um comentário:

Erica Vilhena, vulgo Nêga. disse...

Marcelo, que bom suas palavras! bom, meu nome não tem acento, isto é fato, sou erica...
seu incômodo quanto minha roupa também é incômodo meu. não desejo trocar as peças, mas somar mais e mais peças, umas sobre as outras, um corpo entupido de peças pertinentes ao universo feminino, se notou sou a única que usa tecido de algodão pois desejo apresentar aquilo que é pertinente à boa mulher usar. agradeço seus apontamentos!