agrupamento independente de pesquisa cênica

Composto atualmente pelos artistas pesquisadores Clóvis Domingos, Flávia Fantini, Frederico Caiafa, Idelino Junior, Joyce Malta, Lissandra Guimarães, Matheus Silva, Nina Caetano, Paulo Maffei, Sabrina Batista Andrade e Wagner Alves de Souza, o Obscena funciona como uma rede colaborativa de criação e investigação teórico-prática sobre a cena contemporânea que visa instigar a troca, a provocação e a experimentação artísticas. Também participam dessa rede colaborativa obscênica os artistas Admar Fernandes, Clarissa Alcantara, Erica Vilhena, Leandro Acácio, Nildo Monteiro, Sabrina Biê e Saulo Salomão.

São eixos norteadores do agrupamento independente de pesquisa cênica, o work in process, os procedimentos de ocupação/intervenção em espaços públicos e urbanos e os procedimentos de corpo-instalação, além da investigação de uma ação não representacional a partir do estudo da performatividade e do pensamento obra de artistas como Artur Barrio, Hélio Oiticica e Lygia Clark.

Atualmente, o Obscena desenvolve o projeto Corpos Estranhos: espaços de resistência, que propõe tanto trocas virtuais e experimentação de práticas artísticas junto a outros coletivos de arte, como ainda a investigação teórica e prática de experimentos performativos no corpo da cidade. Os encontros coletivos se dão às quintas-feiras, de 15 às 19 horas, na Gruta! espaço cultural gerido pelo coletivo Casa de Passagem.

A criação deste espaço virtual possibilita divulgar a produção teórico-prática dos artistas pesquisadores, assim como fomentar discussões sobre a criação teatral contemporânea e a expansão da rede colaborativa obscênica por meio de trocas com outros artistas, órgãos e movimentos sociais de interesse.

segunda-feira, outubro 12, 2009

Sobre o exercício de se identificar com a PIEDADE - um e-mail do João Alberto Azevedo

"Chegar ao patio do Instituto Sao Jeronimo onde um funk ensurdece a melancolia e quebra nossos espiritos , nossos e de todas aquelas meninas ....._ Nada estava a meu favor ( mesmo sendo Erica, Saulo e eu ) que a espectativa de algo producente pesava sobre mim como uma razão a se emocionar.

Havia o nosso atraso, havia o filme ( que não permitimos aos agentes serem gentis conosco , seguindo o filme até seu fim ) o funk invasivo ensurdecendo a violência , os pequenos delitos, as causas perdidas, o tráfico, os assassinatos, os abortos e alguns filhos , alguma tristeza se congelava nos cantos . E de repente " um moço " de cabelos brancos com uma coisa interessante " para fazermos juntos " !!!_ De longe a mais desinteressantemente e destrambelhada ideia !Foi assim que me julguei quando a turba de dez ou doze daquelas meninas adentrou a sala derrubando minha arrogância.

Ainda paralisado de medo por um unico motivo : eu ainda tinha pretensões e entre aturdido e timido peço ao agente que inicie a apresentação do data-show que havia preparado para elas na forma de um mini documentário / registro de uma escultura famosa . Eu iria " rechear " de curiosidades sobre técnica de esculpir material , como foi executada por quem foi feita para quem e em que tempo .... assim por diante , ficando surdo aos meus medos de aquilo tudo atravessá-las como o funk com nós todos.

Ouvinte de minha própria fala segui o que em mim era paixão : afinal mostrava e falava sobre a Pietà de Michelangelo , buscando ganchos na memória por agumas delas serem mães e todas , filhas ....alguma coisa naquela imagem só encontrava ecos na maternidade e se contrapunha à ideia de redençao através da dor e sim a beleza como consequência de se " aproximar de deus" , os corpos da mais sincera humanidade , mais que nudez e detalhes de veias ,essa carne morta e este colo de mãe , eu contava que produzissem seu efeito : impressionar . O convite era que encenássemos a Pietà - quem seria a mãe de largo colo ?quem serà o filho morto ?Quantas ou quais se disporiam , melhor dizendo , se sentiriam compelidas a comporem sob o véu da farsa a sua dor ; alguma falta ?

Haviamos levado uns cinco ou seis lençóis brancos para a composição do que na Renascença se julgava que a virgem houvera por vestir e que ajudasse a imagem imaculada mas transida pela dor e paixao o filho morto no regaço , a falha nos braços . Como seria isso ?_ De repente nos vimos cercados por virgens marias , jesus inertes , outras tantas marias que carregavam tambem outras marias ....marias com filhos pequenos e cristos com seu " madeiro "se engatinhando ao calvário ( tinhamos cadeiras que fizeram bem seu papel de cruz , despareadas , só faziam par no desconforto ).

Povoados de virgens de grupos de santos e meninos jesus contrições e expressões de antiga fé , as fotos , quando fui editar muitas próximas do do final estavam desfocadas algumas mais que outras ...percebi que isto se deu pela urgência dos grupos em se fazerem registrar a tal ponto se desenvolviamas composições da paixão da virgem que a camera nao tinha tempo hábil para acertar seu foco automático : para mim isto dizia tudo sobre minhas dúvidas ,conservei todas as fotos.

Nós ali cercados pelas mães de deus, assassinas , virgens estupradas e filhos de deus mortos por futuras overdoses , algumas daquelas nossas senhoras foram chefes de tráfico, mas por um momento estávamos todos ali ocupando todos os nichos de uma igreja inventada por nós com nossa melhor santidade ! _ Lembro me de Jean Beaudrillard nas " ESTRATEGIAS FATAIS " , falando sobre POMPEIA para dizer do efeito mental da catástrofe : " Parar as coisas antes que elas acabem e mantê-las assim suspensas em sua aparição "; porque afinal , despidos de sol , quem resplandesce ???

Joao alberto azevedo , sobre um exercicio de se identificar com a piedade...
out. 2009 -"

E-mail enviado para mim relatando a vivência feita por ele no projeto Diálogos Obscênicos.

Um comentário:

Erica Vilhena, vulgo Nêga. disse...

Trabalhar com João neste dia foi fundamental para mim, estou acompanhando o máximo que posso as ações empreendidas no SJ. Elas encontraram prazer naquela ação, elas se travestem e isto gera doçuras que com o uniforme não se vê.
O que um lençol branco pode causar num ambiente tão árido? Possibilidades!